RÁDIO BITURY

Postagem em destaque

PROGRAMAÇÃO FESTIVAL NO AR COQUETEL MOLOTOV 2016 - ETAPA BELO JARDIM

Apresentado pelo Instituto Conceição Moura, o festival No Ar Coquetel Molotov chega ao seu segundo ano na cidade de Belo Jardim, tra...

EVENTO; AEB - FBJ

EVENTO; AEB - FBJ

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Justiça de São Bento do Una determina que a Prefeita reitegre ao local de Trabalho de origem Enfermeiros do Município


O juiz de São Bento do Una, Augusto Sampaio, atendeu um mandado de segurança do advogado Washington Cadete e determinou que a prefeita Débora Almeida (PSB)  reintegrasse no local de trabalho de origem 9 enfermeiros do município. Eles tinham sido transferidos para área distantes, segundo a oposição por motivação política.

“O juiz atendeu a nossa ação porque o ato foi ilegal”, garantiu Washington, lembrando que os servidores estavam inclusive em estado de greve, o que impede a transferência.

O advogado informou que a medida foi tomada pela Secretária de Saúde de São Bento, Érica do Carmo Barros, de forma estabanada, atropelando a lei. Ele disse que a funcionária, enfermeira exercendo cargo comissionado,  há pouco tempo atrás fez uma representação no Cremepe contra o médico garanhuense Gilson Bezerra dos Santos, por ele não atender algumas de suas exigências no trabalho.

O fato levou Dr. Gilson, médico conceituado em toda região, a entrar com uma ação penal e outra de danos morais contra a secretaria. A questão está na justiça e ainda será julgada, mas Washington Cadete, que representa o médico nessa questão, está confiante na vitória do profissional garanhuense.

Washington foi candidato a prefeito de São Bento do Una na eleição passada perdendo para Débora Almeida. Ele criticou publicamente a escolha do secretariado da gestora, no início do governo, mas depois preferiu não se pronunciar preferindo acompanhar os trabalhos da adversária em silêncio.

Provocado pelo repórter, contudo, admitiu que “a prefeita de São Bento está completamente perdida”. Segundo ele, o que chama a atenção até agora, na administração, é o fato de Dra. Débora ter empregado o marido, criando uma secretaria para ele com salário de R$ 5 mil.

“A prefeitura baixou os salários dos enfermeiros de R$ 2,5 mil para R$ 2,1 mil. A gestora alega que o município não tem R$ 3.800,00 para atender os 9 profissionais. Mas só o salário do marido na Secretaria de Articulação, recém criada, é de R$ 5 mil, ou seja ele é mais importante do que quase uma dezena de profissionais da área de saúde”, reclamou o advogado sãobentense.

Nenhum comentário:

Postar um comentário