RÁDIO BITURY

Postagem em destaque

PROGRAMAÇÃO FESTIVAL NO AR COQUETEL MOLOTOV 2016 - ETAPA BELO JARDIM

Apresentado pelo Instituto Conceição Moura, o festival No Ar Coquetel Molotov chega ao seu segundo ano na cidade de Belo Jardim, tra...

EVENTO; AEB - FBJ

EVENTO; AEB - FBJ

segunda-feira, 18 de março de 2013

O PAPA, FRANCISCO I E A DITADURA ARGENTINA


O papa Francisco em poucos dias de pontificado tem feito gestos que sinalizam mudanças no Vaticano e na Igreja Católica. Não aceitou usar a tradicional capa vermelha, que era usada com orgulho por seu antecessor, considerou exagerado o espaço do seu apartamento, em Roma, chegando a observar: “Há espaço para 300 pessoas aqui”.

Isso aí e muito mais é revelado pelo jornalista David Hilley, da BBC italiana, num bom artigo reproduzido no blog do professor Rafael Brasil.

A própria eleição de um papa argentino e além do mais da Ordem dos Jesuítas representa uma mudança e tanto na Igreja de Pedro.

O nome adotado, inspirado numa frase do cardeal brasileiro Dom Cláudio Hummes, aconselhando a “não esquecer dos pobres”, também tem uma simbologia muito forte.

São Francisco de Assis, quase todo mundo sabe disso, foi o santo da Igreja Católica que bateu de frente com a pompa da cúpula romana, defendendo a volta aos princípios do cristianismo. Contrariou mesmo seus pais, que eram ricos, quando resolveu viver uma vida na pobreza e doar o que tinha aos miseráveis.

Exemplo de humildade, Francisco de Assis pregava:

Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.

O cardeal Mário Jorge Bergoglio levava uma vida modesta na Argentina. Morava em instalações modestas, andava em Buenos Aires de ônibus e de metrô.

Nem todas as notícias sobre o novo papa levam ao caminho da santidade. Em 2005 o religioso foi acusado de ter compactuado com a ditadura militar que seqüestrou, torturou e matou centenas de pessoas.

Essas acusações voltaram à tona agora, inclusive com discussão nas redes sociais, principalmente pelo twitter.

“Vários amigos latinoamericanos não estão comemorando. O papa Francisco é aparentemente um jesuíta conservador; não se opôs à ditadura argentina”, escreveu um escritor canadense usando a internet.

Um argentino, Carlos Burgueno, saiu em defesa do papa: "Cuidado ao desencavar muito sobre o que fez Bergoglio durante a ditadura,  ele pode ter salvo mais pessoas que todos vocês juntos”, disse no twitter, cutucando os patrulheiros à esquerda.

O assunto foi parar na Revista Veja. A publicação da Editora Abril cita que o caso de Bergoglio foi parar nos tribunais, mas o cardeal foi inocentado.

Uma defesa mais respeitável do novo papa foi feita por Adolfo Pérez Esquivel, prêmio Nobel da Paz.

“Bergoglio é questionado porque dizem que ele não fez o suficiente para tirar os dois padres da cadeia enquanto ele era o superior da Congregação dos Jesuítas, mas eu sei pessoalmente que muitos bispos pediam à junta militar para soltar presos e padres e seus desejos não eram atendidos. Eles eram avisados de que os prisioneiros seriam soltos, mas isto não acontecia.”, escreveu o argentino Esquivel, conhecido e premiado pela sua luta a favor dos direitos humanos.

Francisco não tinha uma boa relação com Nestor Kirchner e os atritos continuaram com a atual presidenta, Cristina. Daí podem estar surgindo acusações e boatos. Já disseram até que o novo líder da Igreja Católica éperonista.

Muitos não gostaram do papa também porque ele é radicalmente contra o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Mas aí queriam o quê? Isso é dogma na Igreja Católica, seria de estranhar era que aparecesse um papa aprovando essas medidas.

Naturalmente para ele ser coerente com suas ideias terá de combater a pedofilia e o homossexualismo dentro da Santa Igreja.

O mais importante, acredito, é ter certeza que o papa Francisco não colaborou com a ditadura argentina. Fundamental é essa opção pelos pobres, é a postura franciscana e cristã da humildade.

O futuro dirá quem é mesmo Dom Jorge Mario Bergoglio, agora o papa Francisco.

Roberto Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário